ELEIÇÃO

CARTA ABERTA


Nos Maçons, somos privilegiados na sociedade, por sermos politicamente esclarecidos.

Somos conscientes da nossa responsabilidade política, e principalmente, por termos sido educados ‘’em nossa Sala de Aula’’ para não levarmos para dentro dela as questões ‘’polıt́ico-partidárias, portanto, tratamos o assunto com maturidade e consciência patriótica e maturidade política para elegermos HOMENS LIVRES E DE BONS COSTUMES, que possam bem nos representar.

Há necessidade de termos no Governo do Estado, transparência nos atos públicos e bons Governadores, bem como Senadores, Deputados Federais e Deputados Estaduais que nos orgulhem com suas posições, seus projetos e seus comprometimentos com o povo Cearense e Brasileiro...basta de CORRUPÇAO no nosso Paíś.

Teremos uma eleição, em outubro, que clama por homens honestos, comprometidos e que não venham no futuro nos envergonhar, com suas mãos sujas da lama da corrupção, dos descalabros vergonhosos de crimes que açoitam nossa honra, e que não se coadunam com o espírito ético e moral que é a marca do povo Brasileiro e do povo Cearense.

Por tudo isto, é que estamos convocando os nossos irmãos para entrarmos em ação.
 
Esclarecer toda a pessoa que estiver ao nosso alcance, uma, duas, dez, cem mil, enfim quantas a nossa liderança pessoal (cada irmão) ou coletivo (cada Loja) possa alcançar, sempre com respeito aos nossos princípios de não tratarmos este assunto como politica-partidária e fora do Templo, pois temos que ter essa disciplina de não misturar os assuntos, porem não podemos mais  ficar á sombra e alheios aos acontecimentos que ferem o estado 
democrático de direito.

Ouvir os candidatos, analisarmos as suas propostas, ai sim no Templo, não importando o seu partido, e após eleito, podermos cobrar os seus compromissos.

VALORIZE SEU VOTO. VOTO EM HOMENS

LIVRES E DE BONS COSTUMES. ESTA E A NOSSA MARCA. MAIS, ESQUADRO E COM-POSSO SOBREPOSTOS.

Vamos formar uma grande corrente, despertar o interesse da população em geral, é a Maçonaria novamente se colocando a disposição da sociedade, esclarecendo-a, abrindo-lhe os olhos para a responsabilidade do VOTO ESCLARECI-DO r RESPONSAVEL. Juntos, todos seremos fortes e faremos a diferença.

Fraternalmente.

JOSE WANDERLEY COSTA

Soberano Grão Mestre

JOSE ALVES DO NASCIMENTO

Eminente Grão Mestre Adjunto
 
VALORIZE SEU VOTO

VOTE EM HOMENS

LIVRES E DE BONS

COSTUMES

GRANDE ORIENTE DO CEARÁ

GOCE - COMAB
 

Os principais momentos da história da

eleição no Brasil:

1532 - PRIMEIRA VOTAÇAO


A história do voto no Brasil começou 32 anos após Cabral ter desembarcado no Paıś. Foi no dia 23 de janeiro de 1532 que os moradores da primeira vila fundada na colônia portuguesa - São Vicente, São Paulo - foram às urnas para eleger o Conselho Municipal.
1555 - VOTO CENSITÁRIO

Da Colônia até quase o  fim do Império, só podia votar (e ser votado) nobres, burocratas, militares, comerciantes ricos, senhores de engenho e homens de posses, mesmo analfabetos.
1821 - CORTE PORTUGUESA
Em 1820, clero, nobreza e exército se revoltaram no Brasil. D. João VI convocou eleições em março de 1821 para a nova corte - 72 vagas para a elite brasileira.
1881 - LEI SARAIVA
Aprovado em janeiro de 1881, um decreto estabeleceu eleições diretas para câmaras e assembleias. Províncias foram divididas em distritos e eleitores com renda mínima anual de 200 mil reais foram cadastrados. Em 1882, foram excluídos os analfabetos, já que era preciso assinar um documento.
1891 - VOTO DE CABRESTO
Com o presidencialismo, a Constituição de 1891 ratificou as votações diretas, embora Deodoro da Fonseca tenha sido eleito presidente pela Assembleia. Em 1904, a Lei Rosa e Silva estabeleceu que, além da cédula que ia para a urna, outra seria preenchida, datada e rubricada por  fiscal eleitoral - intin=midação que duraria toda a Primeira República.
1932 - VOTO FEMININO
Estabeleceu-se voto secreto e obrigatório para ‘’cidadão maior de 21 anos, sem distinção de sexo’’ em 1932. Assim, mulheres podiam votar. A média paulista Carlota de Queiroz foi eleita deputada. Em 1934, a idade mínima para votar passou a ser de 18 anos.
1950 - SEM MAIORIA
Em 1945, Getúlio Vargas fora deposto após o Estado Novo e o militar Eurico Gaspar Dutra foi eleito Presidente. Em 1946, a Constituição não exigia a maioria absoluta dos votos para
 
representantes do Executivo. Assim, menos da metade dos eleitores levaram três presidentes ao Poder: Getúlio Vargas em 1950, Jucelino Kubitschek em 1955 e Jânio Quadros em 1960.
1955 - CRÉDULA OFICIAL

Duas grandes novidades foram integradas ao sistema eleitoral em 1955. Uma lei determinou que o título fosse vinculado a uma seção eleitoral e voltou exigir foto do votante - ideia prevista já no código de 1932. Em agosto, as cédulas de votação, até então de responsabilidade dos candidatos, passariam a ser feitas pela Justiça Eleitoral.
1963 - REFERENDO PARLAMENTARISMO X PRESIDEN-

CIALISMO

Com a renúncia de Jânio Quadros em 1961, o Congresso condicionou a posse de João Goulart ao parlamentarismo. Em janeiro de 1963, que teve como resultado a rejeição do novo sistema. Seria também a última votação popular antes da ditadura que se instalou com o golpe de 1964.
1964 - DITADURA MILITAR

O golpe militar de 1964 impediu a manifestação mais legitima de cidadania, ao proibir o voto direto para presidente da República e representantes de outros cargos majoritários, como governador, prefeito e senador. A penas deputados federais, estaduais e vereadores eram escolhidos pelas urnas.
1989 - ELEIÇÕES DIRETAS

A reabertura democrática trouxe a nova Constituição de 1988. Presidente, governadores e prefeitos de grandes cidades seriam eleitos em dois turnos. Jovens acima de 16 anos, analfabetos e maiores de 70 anos ganharam direito facultativo ao voto. Em 1989, após 29 anos de escolhas feitas pelo Congresso, houve eleição para presidente.

1996 - URNA ELETRÔNICA

Após experiências feitas desde 1989, 57 cidades com mais de 200 mil habitantes usam urna eletrônica na eleição municipal. Em 2000, na primeira eleição totalmente informatizada do mundo, 110 milhões de pessoas escolheram informatizada do mundo, 110 milhões de pessoas escolheram prefeito e vereadores de 5559 municípios.
2008 - BIOMETRIA

Pela primeira vez na história do Paıś, a integral população de três municıṕios foi autorizada a votar mediante a confirmação eletrônica de suas impressões digitais. No pleito deste ano 22 milhões votarão com biometria em 800 cidades.
 

Quem pode ser candidato

De uma maneira geral, no Brasil, todo cidadão maior de idade, tem a obrigatoriedade de votar em todos os cargos em disputa. Também é obrigatória a filiação partidária e o domicílio eleitoral deferido com um ano de antecedência. Mas é preciso uma idade mıńima para concorrer aos cargos:

Presidente e Vice-Presidente: 35 anos completos até a data da posse;

Governador e Vice-Governador: 30 anos completos até a data da posse;

Senador e Suplente de Senador: 35 anos completos até a data da posse;

Deputado Federal, Distrital e Estadual: 21 anos completos até a data da posse;

Prefeito e Vice-Prefeito: 21 anos completos até a data da posse;

Vereador: 18 anos completos até a data da posse.

Por que votar consciente?

Para acabar com as mordomias dos poderes da república (gabinete, secretárias, carros, motoristas), redução do número de deputados federais, extinção de fundações e institutos públicos, fechamento das assembléias estaduais e municipais ou mantê-las sem remuneração, terminar com o financiamento das campanhas, desburocratizar o judiciário e órgão públicos, exigir o pagamento imediato dos precatórios judiciais, criminalizar imediatamente o enriquecimento ilıćito, exigir um levantamento minucioso de todos os bens dos que ocupam cargos polıt́icos e de estado a  fim de saber seu patrimônio antes e depois, proibir repasse de verbas para ONGs, extinguir o MST, rever indenizações aos perseguidos polıt́icos, analisar a situação dos aposentados, auditoria sobre o perdão da dıv́ida que concedemos a outros paıśes, acabar as aposentadorias sobre os cargos de presidente/ senador/ deputados e terminar com o salário de aprisionados salvo se trabalhar.